Boletim da Fundação Lemann

Dados e análises para fomentar o debate educacional no Brasil

O que é o Boletim da Fundação Lemann?

Na Fundação Lemann, acreditamos que o uso de dados é essencial para enriquecer o debate em torno da educação brasileira e para apoiar os tomadores de decisão com evidências. É com este objetivo que lançamos os nossos Boletins. Periodicamente, faremos e compartilharemos análises inéditas sobre os mais diversos dados educacionais para contribuir com este debate.

Boletim nº1

Sobram vagas e há alta rotatividade no corpo docente nas escolas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico

Primeiro Boletim da Fundação Lemann traz dados do cenário da educação com recortes inéditos por nível socioeconômico e mostra como o sistema educacional brasileiro não promove a equidade.

Lançada em 12 de junho, a análise "As desigualdades na educação no Brasil: o que apontam os diretores das escolas", feita pela Fundação Lemann, evidencia os desafios enfrentados pelas escolas que atendem alunos de baixo nível socioeconômico (NSE), contribuindo para a manutenção da inequidade na aprendizagem. Para mapear este tema, a Fundação Lemann analisou as respostas dos diretores escolares no questionário da Prova Brasil 2015, com a adição de dados do IBGE e de um capítulo inédito do estudo Excelência com Equidade sobre o assunto.

Confira o Boletim na íntegra aqui.

Boletim nº 2

Educação ainda longe da excelência com equidade desejada

Segundo Boletim da Fundação Lemann apresenta um mapeamento de escolas públicas com bons resultados no Brasil, em três categorias: Excelência com Equidade, Destaque Regional e Bom Percurso.

Lançado nesta terça-feira, 19 de setembro, o boletim de tema "Educação ainda longe da excelência com equidade desejada", apresenta um mapeamento de escolas públicas com bons resultados no Brasil, em três categorias: Excelência com Equidade, Destaque Regional e Bom Percurso. A primeira categoria aponta escolas de bom nível de desempenho nas avaliações externas, enquanto a segunda traz as escolas que estão avançando mas ainda não estão num patamar alto, e já a terceira categoria destaca as melhores escolas por microrregião e que atingem no mínimo o patamar nacional nos indicadores de aprendizagem.

O Boletim também marca o lançamento de dois estudos inéditos da série Excelência com Equidade:

- O que aconteceu com as escolas de Excelência com Equidade nos Anos Iniciais em 2011? 

O que aconteceu com as escolas de Excelência com Equidade nos Anos Finais em 2013?

Confira o Boletim na íntegra aqui.